Amazônia Legal

Manaus parou na segunda-feira(7), após ataques. Força Nacional está confirmada

Manaus já pediu a presença da Força Nacional para conter o crime organizado. Na segunda-feira (07) a cidade parou.

Rondônia Já, com informações de Leanderson Lima/Amazônia Real

segunda-feira, 07/06/2021 - 23:57 • Atualizado 14/06/2021 - 23:58
Manaus parou na segunda-feira(7), após ataques. Força Nacional está confirmada
Ataque em Manaus - Foto: O Juruá em Tempo

Manaus amanheceu e permaneceu sitiada no decorrer do dia na segunda-feira (7). Comércio, escolas e postos de vacinação tiveram as atividades paralisadas. Quase ninguém saiu de casa. No começo da noite de segunda-feira, o ministro da Justiça, Anderson Torres, confirmou em uma rede social o envio de tropas da Força Nacional de Segurança à capital do Amazonas, atendendo ao pedido do governador Wilson Lima.

Post do ministro da Justiça, Anderson Torres – Foto: Redes sociais

Manaus paralisada na segunda-feira

A indústria cancelou o terceiro turno, no domingo à noite, e só retornou pela manhã. O comérdio parou, em nenhum momento da primeira ou da segunda onda da pandemia causada pela Covid-19, foi possível ver tantas lojas fechadas.

Os ônibus foram recolhidos para evitar uma nova onda de ataques da facção criminosa Comando Vermelho. O secretário de Segurança Pública, coronel Louismar Bonates, disse nos canais do governo estadual, que a população estava protegida, mas, quase ninguém acreditou.

Comércio de Manaus fechado – Foto: Alberto César Araújo/Amazônia Real

O caos em Manaus

Na manhã e tarde desta segunda-feira, em vários bairros de Manaus ainda estava um cenário de destruição e caos, com a população amedrontada e sentindo-se insegura até para sair às ruas neste que é o ataque mais violento já patrocinado por uma organização criminosa no estado.

No bairro Lírio do Vale, na zona oeste de Manaus, foi a própria população que se mobilizou para salvar a Unidade Básica de Saúde S-10, atacada por volta das 20 horas de domingo (6). Os criminosos forçaram as grades da janela para atirar coquetéis molotov (garrafas com combustível) dentro do estabelecimento. O artefato incendiário também foi atirado na frente da UBS, que na hora se encontrava fechada.

Pela cidade, moradores e funcionários apagavam as marcas dos ataques do fim de semana, limpando fachadas de prédios com princípios de incêndio.

Veja aqui mais sobre os ataques ao Amazonas

Transporte parado

Os mais de 30 ataques do Comando Vermelho paralisaram o serviço de transporte público por mais de 24 horas. Os terminais foram protegidos por carros de polícia, mas sem passageiros. Cerca de 700 mil usuários de coletivos foram prejudicados. Só por volta das 13 horas a prefeitura retomou o transporte público, porém com uma frota bem inferior aos mais de 300 ônibus que circulam pela capital.
Dados da prefeitura informam que foram incendiados sete ônibus e dez micro-ônibus que atendem ao Distrito Industrial de Manaus.

Ônibus incendiado em Manaus-Foto: Alberto César Araújo/Amazônia Real

Esperando a Força Nacional

“A população pode ter o seu ir e vir garantido, pode sair de suas casas, circular livremente, que a polícia está nas ruas para garantir a sua segurança”, acrescentou o secretário Louismar Bonates. Numa entrevista coletiva com a imprensa, o coronel Bonates confirmou que o governo estadual espera a chegada da Força Nacional para esta terça-feira(8). O pedido de ajuda ao Ministério da Justiça foi formalizado no domingo e confirmado pelo MJ no início da noite de seguknda-feira(7).

Prisões

Desde o início dos ataques do Comando Vermelho, foram realizadas 31 prisões, sendo apenas duas de lideranças e cujos nomes não foram revelados. Segundo o secretário de Segurança, há 250 carros das Polícias Civil e Militar nas ruas de Manaus. Mas o efetivo é de 2.000 homens para uma cidade de mais de 2 milhões de habitantes.

Os ataques do Comando Vermelho foram concentrados em Manaus, mas atingiram cinco municípios do interior: Manacapuru, Iranduba, Careiro Castanho, Parintins e Carauari. Agentes da Polícia Rodoviária Federal já foram deslocados de Roraima para atuar nos municípios de Careiro Castanho e Careiro da Várzea. Um novo efetivo policial deve ser conduzido do Rio de Janeiro para o Amazonas.

Segundo a versão do governo estadual, as ações criminosas seriam uma retaliação à morte do traficante e líder do Comando Vermelho no Amazonas, Erick Batista Costa, o “Dadinho”. Ele morreu em uma troca de tiros com militares da Rocam (Rondas Ostensivas Cândido Mariano) da Polícia Militar, na noite de sábado (5).

Abordagem policial em Manaus – Foto: Alberto César Araújo/Amazônia Real

Vacinação suspensa

Depois de anunciar que a vacinação começaria, às 11 horas de segunda-feira, a prefeitura de Manaus voltou atrás e decidiu suspender a atividade. A notícia pegou muita gente de surpresa, que só soube da suspensão quando estava na fila para receber a dose do imunizante.

Sobre os ataques das últimas horas no Amazonas, Vera Lúcia de Lima, 48 anos, disse que já se habituou com a violência em Manaus. “A gente já está se acostumando. A gente nem se espanta mais”, relatou.

A retomada da vacinação deve acontecer nesta terça-feira, caso a situação esteja normalizada. A Covid-19 já fez 13.054 mortes no Amazonas.

Posto de vacinação fechado em Manaus – Foto: Alberto César Araújo/Amazônia Real