Covid-19

Fenaj e jornalistas lutam pela inclusão dos profissionais nos grupos prioritários de vacinação

A inclusão dos profissionais que atuam na linha de frente entre os grupos prioritários do Plano Nacional de Imunização (PNI) de combate ao coronavírus é a atual luta da FENAJ.

Por Marcos Gomes - Rondônia Já

terça-feira, 04/05/2021 - 18:56 • Atualizado 15/06/2021 - 01:01
Fenaj e jornalistas lutam pela inclusão dos profissionais nos grupos prioritários de vacinação

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ está reivindicando junto com Sindicatos de Jornalistas em todo o país pela inclusão dos profissionais que atuam na linha de frente entre os grupos prioritários do Plano Nacional de Imunização (PNI) de combate ao coronavírus.

Em um informe divulgado em sua página na internet da Federação informou que o Ministério da Saúde se recusa a incluir os jornalistas a integrar o grupos prioritários para serem imunizados, mesmo estando em atividades consideradas essenciais.

Em vista dessa situação a FENAJ e Sindicatos lançaram nesta terça (04) a campanha “Essencial é a informação!”, que será viralizada por uma mobilização virtual nas redes sociais para que seja aprovado pelo Congresso Nacional projeto de lei que inclua a categoria no Plano Nacional de Imunização.

EMENDA PARLAMENTAR PODE AJUDAR

Existe a possibilidade da apresentação de uma emenda parlamentar ao Projeto de Lei da vacinação, porém é mais seguro a frente em que a Federação também apoia e acredita para que o Congresso Nacional se sensibilize com a proposta do projeto de lei 1317/2021, do deputado Dagoberto Nogueira (PDT), que trata exclusivamente da vacinação dos profissionais jornalistas.

Uma das bandeiras levantadas pela FENAJ diz respeito ao primeiro decreto sobre a pandemia (o de nº 10.288, de 22 de março de 2020) e diz que a a atividade jornalística é considerada serviço essencial, pois profissionais jornalistas são expostos diariamente ao vírus.

De acordo com a Federação, através dos 31 sindicatos filiados foram tentadas a inserção dos jornalistas nos planos municipais e estaduais de vacinação protocolando ofícios as respectivas secretarias de saúde.

Ainda assim tanto Estados quanto municipios não aceitaram a proposta de inclusão desses profissionais, pois a maioria dos pedidos foi negada, sob alegação de que as diretrizes são definidas pelo Ministério da Saúde, através do Plano Nacional de Imunização (PNI).

+ Notícias sobre Covid-19 clique AQUI

Mas já é levado em conta pela diretoria da FENAJ que em alguns estados essa mesma solicitação já está análise pelas assembleias legislativas, tudo vai depender da apreciação e aprovação. Numa corrida contra o tempo isso não significa uma vitória, mas uma esperança.

A Federação promoveu, ao longo desse período, pesquisas sobre condições de trabalho na pandemia, incluindo um levantamento da FIJ, além de acompanhar os impactos da MP 936, que possibilitou aos empregadores a redução de salários/jornadas.

O Brasil é o país com mais jornalistas vítimas de Covid-19 no mundo.