Covid-19

Senador de Rondônia diz em audiência pública que o País ‘grita’ por vacinas urgente

O senador Confúcio Moura falou sobre a compra de vacinas de forma descentralizada por estados e municípios e que o país ‘grita’ por vacinas.

Por Marcos Gomes - Rondônia Já

terça-feira, 11/05/2021 - 08:30 • Atualizado 19/05/2021 - 23:07
Senador de Rondônia diz em audiência pública que o País ‘grita’ por vacinas urgente
Senador Confúcio Moura (MDB) - Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Acredite, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde e ONU, até esta segunda-feira (10) foram administradas 1.206.243.409 doses de vacina.157.973.438 casos confirmados. Clique AQUI para conferir esses dados.

O Brasil ainda precisa adquirir mais vacinas para que tenha uma equiparação sólida e confortável em relação ao resto do mundo, evitando mais casos e mortes. Em vista dessa situação foi realizada audiência pública da Comissão temporária da Covid-19, no Senado Federal na segunda-feira (10), que debateu com três governadores e um prefeito, entre outros temas, a compra de vacinas de forma descentralizada por estados e municípios, o senador Confúcio Moura, presidente do colegiado, enfatizou que o país “grita” por vacinas.

De acordo com o parlamentar, a palavra de ordem no momento é vacina. Buscar vacina até o mês de julho pra imunizar 80 milhões de brasileiros. Segundo ele, o grande desejo da Comissão criada para acompanhar questões de saúde pública relacionadas à pandemia é fazer, agora, o possível e o impossível para que mais vacinas cheguem aos brasileiros.

O senador enfatizou que o principal papel do Colegiado é fazer o trabalho de mediação, aproximação, e buscar resolver problemas. Ele destacou, ainda, que a vacina russa Sputnik V, hoje, além de ser desejada, já está orçada, e sua aquisição está sendo planejada por quase todos os consórcios de governadores, e agora pelo consórcio de prefeitos.

A SPUTNIK V

A respeito da Sputnik V, Confúcio enfatizou que ela é um imunizante que está aguardando a liberação pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para que seja colocada à disposição do Ministério da Saúde, e assim aumentar o ritmo da vacinação no país. “Então, a função nossa é essa, e vamos continuar cobrando esse trabalho de resolver as amarras burocráticas que possam existir, ou políticas, se houver”, disse.

Participaram do debate como convidados: o governador do Piauí e presidente do Fórum dos Governadores, Wellington Dias (PT); o governador do Maranhão e presidente do Consórcio Amazônia, Flávio Dino (PCdoB); o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB); e o prefeito de Florianópolis e presidente do Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras, Gean Loureiro (DEM).

A próxima reunião da comissão, agendada para a próxima sexta-feira, (14), às 10h, irá debater entraves à aquisição de vacinas; medidas que podem e devem ser tomadas para agilizar a aquisição de imunizantes pelo país; a cooperação internacional; e as possibilidades de auxílio ao Brasil no combate à Covid.

(Com informações da Agência Senado)