Covid-19

No dia que Rondônia ultrapassa 6 mil mortes por Covid-19, governador libera geral

Mais de 6 mil mortes em Rondônia, desde o começo da pandemia, não impediram governador de liberar eventos com até 999 pessoas.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

quinta-feira, 17/06/2021 - 22:27 • Atualizado 18/06/2021 - 22:31
No dia que Rondônia ultrapassa 6 mil mortes por Covid-19, governador libera geral
O governador e as covas - Foto: Rondoniaja.com

Em 20 de março de 2020, Rondônia confirmou o primeiro caso de Covid-19. Dez dias depois, o estado registrou a primeira morte, uma idosa de 66 anos, internada em Porto Velho. De lá, para cá, até o final da tarde de quinta-feira (17) são 6.001 mortes provocadas pelo coronavírus, 24 delas nas últimas 24 horas. Um paciente morto a cada hora no estado.

Nas últimas 24 horas, segundo o boletim 454 da Agevisa/RO, foram confirmados 581 novos casos da doença .

E é justamente neste ambiente de consternação, pelas vítimas do passado, presente e, porque não dizer, do futuro, que o governador de Rondônia, Coronel da PM Marcos Rocha (PSL), decide publicar um decreto que, certamente, vai contribuir para novas mortes pela doença.

O decreto libera eventos com até 999 pessoas, em bares, boates e casas de show, com distribuição de bebidas alcóolicas e, é claro, muita aglomeração.

Na redação do artigo, estão definidos alguns critérios como o uso de máscara, apresentação de teste negativo de Covid-19 e passa para as prefeituras de cada município a tarefa de fiscalizar os tais eventos.

Marcos Rocha, com este decreto, mostra que é discípulo fiel de seu mentor, Jair Bolsonaro, ao liberar geral a favor do coronavírus e ainda terceirizar para as Prefeituras a tarefa de fiscalizar o cumprimento de uma lei que é totalmente contrária às medidas de contenção aconselhadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

No vídeo abaixo, gravado no último fim de semana, antes do novo decreto, é possível perceber o quanto o Governo de Rondônia está preocupado com as aglomerações. Uma festa, com centenas de pessoas na zona leste de Porto Velho, com a maioria das pessoas sem máscara, aglomeradas e sem nenhuma fiscalização:

Os artigos do Decreto

No mesmo decreto, Marcos Rocha também libera casamentos, jantares e reuniões com a participação de até 150 pessoas, com distanciamento de 1,20 entre as mesas.

Os dois artigos que tratam do assunto são disponibilizados abaixo:

Art. 3° – Fica liberada a realização de eventos como jantares, casamentos e reuniões com a participação de até 150 (cento e cinquenta) pessoas, devendo ser respeitados os seguintes critérios:
I – espaçamento entre as mesas (distanciamento social), onde os organizadores deverão dispor as mesas por família (pessoas em convivência habitual) e com distanciamento de 1.20cm (um metro e vinte centímetros) entre cada mesa;
II – uso obrigatório de máscara de proteção facial;
III – disponibilização de álcool 70% (setenta por cento);
IV – verificação de temperatura na entrada dos eventos, onde não será permitido a participação de pessoas com temperatura superior 37,8°C; e
V – não será permitido a participação de pessoas com sintomas gripais.

Art. 4º – Fica liberada a realização de eventos com até 999 (novecentos e noventa e nove) pessoas, com distribuição de bebidas alcóolicas, como bares, boates e casas de shows, condicionados ao atendimento dos seguintes critérios:
I – os participantes do evento deverão utilizar máscara proteção, bem como realizar teste para Covid-19 em laboratório aprovado pela AGEVISA, com no máximo 48h (quarenta e oito horas) anterior à realização do mesmo, onde os resultados deverão ser disponibilizados pelo laboratório à Agência Municipal de Vigilância Sanitária para constatação do exame negativo que possibilitará a participação do indivíduo no evento.
II – os responsáveis pela realização do evento deverão acordar com a Agência Municipal de Vigilância Sanitária a fiscalização na recepção do evento, onde os fiscais pertencentes ao órgão só permitirão a entrada das pessoas que estiverem em lista enviada pelo laboratório e com exame negativo para Covid-19.

Marcos Rocha convocado pela CPI da Covid

O governador Marcos Rocha foi convocado para depor na CPI da Covid, no Senado, no dia 09 de julho, uma sexta-feira.

Ele é um dos 09 governadores que terão que prestar explicações sobre irregularidades à frente da gestão da pandemia nos estados.

No caso do governador Coronel, será questionado à respeito da Operação Polígrafo, realizada em 30 de julho de 2020 pela Polícia Federal.

Durante as investigações, os policiais teriam desarticulado um esquema de fraude e corrupção na aquisição emergencial de testes rápidos para diagnóstico da Covid-19 pela Secretaria Estadual de Saúde de Rondônia.

O valor da contratação sob suspeita de fraude é de R$ 10,5 milhões. Os kits, segundo a PF, não tinham registro na Anvisa e estavam superfaturados no preço adquirido.

É provável que o governador seja questionado sobre a distribuição de medicamentos ineficazes contra a Covid-19, como a Cloroquina, a Ivermectina e a Azitromicina. O kit de tratamento precoce foi e ainda é distribuído nos drive-thrus que o Governo de Rondônia faz para realizar testagem rápida de Covid-19.

O Ministério da Saúde deu parecer, em maio deste ano, contra o uso de Cloroquina e Ivermectina para o tratamento contra o coronavírus, mas, o Governador Marcos Rocha sempre se mostrou sensível aos apelos de empresários favoráveis ao tratamento precoce. Esta atitude pode custar caro ao político, quando ele encarar os senadores da Comissão.