CPI da Pandemia

Advogada entrega tudo, Marcos Rogério desespera e ouve que precisa prestar OAB de novo

ASSISTA O VÍDEO: Marcos Rogério tumultuando e ouvindo que precisa prestar OAB novamente. Acompanhe AO VIVO aqui o depoimento da advogada.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

terça-feira, 28/09/2021 - 16:13 • Atualizado 29/09/2021 - 17:26
Advogada entrega tudo, Marcos Rogério desespera e ouve que precisa prestar OAB de novo
Bruna Morato e Marcos Rogério - Foto: Reprodução google e colagem

O clima esquentou mais uma vez na CPI da Pandemia. Desta vez, durante o depoimento da advogada Bruna Morato, que representa os médicos que denunciaram a Prevent Senior,

A advogada foi à Comissão disposta à entregar todos os esquemas. Disse que Prevent e médicos do ‘gabinete paralelo’ fizeram ‘pacto’ por cloroquina para o Governo Federal evitar lockdown entre outras denúncias pesadas que atingem em cheio a gestão de Jair Bolsonaro frente à pandemia da Covid-19. Denúncias que, se comprovadas, pode inviabilizar até mesmo o mandato do presidente.

Ao ver o Governo Federal ser atacado, o senador rondoniense Marcos Rogério (DEM-RO), começou a tumultuar a sessão e falou que quem deveria estar depondo são os médicos, e não a advogada, afirmando que ela não é uma testemunha.

O senador de Rondônia, que também é jornalista e advogado, continou tentando desacreditar a advogada dos médicos da Prevent, quando foi interpelado pelo senador sergipano Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

‌Vieira falou que Marcos Rogério cometeu um “equívoco jurídico” e  recomendou:

“Vossa excelência poderia tentar novamente o acesso à OAB, tornar-se advogado e demonstrar o conhecimento necessário para chegar aqui e confrontar a advogada.”

VEJA O VÍDEO:

 

As denúncias da advogada

A CPI ouve nesta terça-feira (28) a advogada Bruna Mendes Morato, responsável por ajudar médicos a elaborar um dossiê sobre Prevent Senior.

O material acusa o plano de saúde de ocultar mortes de pacientes que receberam medicamentos sem eficácia contra a Covid.

Bruna disse que a empresa ameaçava médicos com demissão para que distribuíssem o ‘kit Covid’, inclusive para pacientes com comorbidades.

A advogada afirma que a Prevent e médicos do ‘gabinete paralelo’ fizeram um pacto pró-hidroxicloroquina para evitar lockdown.

Presidente da Prevent diz que empresa foi vítima de armação: ‘Lastimável dizer que a gente forçava dar cloroquina’.

O senador amapaense Randolfe Rodrigues (REDE-AP) disse que seria necessário ouvir, na próxima semana, o Ministério da Economia. Segundo a advogada, as orientações do suposto ‘gabinete paralelo’ estariam totalmente alinhadas com os interesses do Ministério da Economia.

O presidente da CPI, o senador amazonense Omar Aziz (MDB-AM) confirmou que a CPI deve se estender, devido às denúncias feitas nesta terça-feira (28).

ASSISTA A CPI AO VIVO: