Cultura

Servidor do TRE/RO homenageia rios amazônicos em belo soneto

É por esses rios que a Justiça Eleitoral cumpre sua missão institucional de levar serviços à população residente em locais de difícil acesso, como aldeias indígenas e comunidades ribeirinhas

Por Redação Rondônia Já

sexta-feira, 28/05/2021 - 14:00 • Atualizado 21:33
Servidor do TRE/RO homenageia rios amazônicos em belo soneto
Michel Andrade do Nascimento - Foto: Ascom TRE/RO

O portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) publicou na quinta-feira (27) uma reportagem sobre um servidor do TRE de Rondônia. A publicação faz parte de uma série que começou a ser produzida em fevereiro, mês em que se comemora o aniversário de criação da Justiça Eleitoral e será permanente, como forma de mostrar as pessoas que diariamente fazem a democracia acontecer.

De forma poética, o servidor do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE-RO) Michel Andrade do Nascimento homenageou as águas cheias de vida, que levam e que trazem sonhos, por onde a história e a democracia rondonienses navegam. No soneto Rios da Democracia, ele faz referência às principais características hidrográficas do estado, tendo como principal ponto de partida a importância dos rios e bacias que cruzam os municípios.

Chefe da Seção de Comunicação Social do TRE-RO, Michel é músico (toca mais de 10 instrumentos) e compositor, tendo várias músicas gravadas por cantores regionais. Ele explica que sua inspiração para o soneto em homenagem ao bandeirante eleitorado rondoniense veio da necessidade de registrar o papel fundamental dos rios para o desenvolvimento e o exercício da cidadania no estado.

Derivado do italiano sonetto (pequena canção ou, literalmente, pequeno som), soneto é uma estrutura literária de forma fixa, composta por quatro estrofes. O Rios da Democracia canta a saga dos servidores e colaboradores da Justiça Eleitoral (JE), que, a cada dois anos, percorrem com o uso de embarcações os rios navegáveis que cortam o estado.

A rede hidrográfica de Rondônia é representada pelo Rio Madeira e seus afluentes, que formam sete bacias significativas: Guaporé, Mamoré, Abunã, Madeira, Jamari, Machado (ou Ji Paraná) e Roosevelt. Este último, destaque do soneto é famoso internacionalmente, pois por suas águas navegaram o ex-presidente norte-americano Theodore Roosevelt, de quem emprestou o nome, e o Marechal Cândido Rondon, símbolo das expedições brasileiras.

E é por esses rios que a Justiça Eleitoral cumpre sua missão institucional de levar os serviços à população residente em locais de difícil acesso, como aldeias indígenas e comunidades ribeirinhas, garantindo o exercício da cidadania.

LEIA MAIS SOBRE CULTURA

Confira a íntegra do soneto Rios da Democracia:

“Esta terra que ninguém limita

É formada por águas cheias de vida

Águas que levam e águas que trazem sonhos

Águas atravessadas por esperança e pelo amor de sua gente.

Da Bacia do Rio Roosevelt à Bacia do Rio Madeira, todos apreciam suas belas corredeiras

Do povo ribeirinho aos índios Karipunas, desta riqueza os bandeirantes se afortunam

E se quiser ir a um lugar qualquer, dizia Liminha e Gilberto Gil: Guaporé, Guaporé!

O infinito verde e azul de seus leitos, afluentes e da foz de cada rio representa a história deste povo.

Povo que para poder exercer seu voto lutou, luta e lutaria,

Navegando em “Rios da Democracia”.

Nós somos a Justiça Eleitoral

Esse texto faz parte do projeto “Nós somos a Justiça Eleitoral”, que vem mostrando a todos os brasileiros quem são as pessoas que trabalham diariamente para oferecer o melhor serviço ao eleitor. Espera-se também que o cidadão reconheça que a JE não é composta apenas por leis, números, equipamentos, processos, tecnologia de ponta, mas por pessoas que amam o que fazem e que não medem esforços para entregar para a sociedade o seu melhor.

A série começou a ser produzida em fevereiro, mês em que se comemora o aniversário de criação da Justiça Eleitoral, e será permanente, como forma de mostrar as pessoas que diariamente fazem a democracia acontecer.

Fonte: Seção de Comunicação TRE/RO