Indígenas

Indígenas em Brasília são cercados pela PM durante protesto – VEJA VÍDEO

Os indígenas estão em Brasília em protesto contra projetos do Congresso que pretendem anular demarcações feitas após 1988.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

segunda-feira, 14/06/2021 - 17:00 • Atualizado 16/06/2021 - 00:43
Indígenas em Brasília são cercados pela PM durante protesto – VEJA VÍDEO
PM impedindo indígena de protestar - Foto: Rede social

Cerca de 120 indígenas foram cercados pela Polícia Militar na tarde de domingo durante um protesto pacífico contra o Congresso e o Governo Federal.

Os indígenas caminhavam em direção ao Estádio Mané Garrincha, no Distrito Federal, onde ocorria o jogo do Brasil contra a Venezuela na estréia da Copa América. Quando o grupo estava a um quilômetro do local foi impedido de seguir em frente por um pelotão de Choque da PM, que formou uma barreira, com escudos e armamento.

O protesto e o percurso foram informados previamente à PM, que havia concordado, inicialmente, em permitir a ida dos manifestantes até o estacionamento do Estádio, mas, de última hora, e sem aviso prévio, a Polícia Militar descumpriu o acordo e montou a barreira, intimidando as lideranças e os participantes presentes.

Impedidos de prosseguir até o estádio Mané Garrincha, os indígenas realizaram cantos e danças em frente ao bloqueio policial. Coincidência, ou não, a natureza pareceu ter ouvido a súplica do povo da floresta e respondeu com uma forte chuva, que se precipitou após o início da cantoria e se estendeu durante um longo período. Após horas debaixo da chuva, os manifestantes retornaram ao acampamento. O batalhão, após a saída dos indígenas, também retornou ao quartel, devidamente encharcado. Kretã Kaingang, um dos coordenadores do movimento disse o seguinte:

“Agora está acontecendo a Copa América ali. Nós estamos com milhares de brasileiros que precisam ser vacinados, e o Estado continua nos oprimindo. Somos contra a Copa América e a favor da vacina para todos os brasileiros e para os povos indígenas, que não foram ainda totalmente vacinados em seus territórios”.

Abaixo está uma filmagem feita pelos indígenas:

Os protestos indígenas

Os indígenas estão em Brasília desde o começo da semana passada, para acompanhar de perto a votação do STF sobre a demarcação das Terras Indígenas, em um julgamento que pode definir o futuro de todas as demarcações feitas no Brasil.

Nesta segunda-feira(14), indígenas de diversos povos presentes em Brasília realizaram na tarde desta segunda-feira (14), uma marcha até o Supremo Tribunal Federal (STF). Os indígenas pedem que o caso de repercussão geral sobre demarcações de terras indígenas seja colocado novamente em pauta e que os ministros referendem o pedido de proteção aos povos Yanomami e Munduruku e determinem a retirada de invasores destas e de outras cinco Terras Indígenas, também em análise na Suprema Corte.

Inicialmente previsto para ocorrer entre os dias 11 e 18 de junho em plenário virtual, o julgamento do caso de repercussão geral chegou a começar, mas foi suspenso minutos após seu início por um pedido de destaque do ministro Alexandre de Moraes. Agora, cabe ao presidente da Corte, Luiz Fux, inserir novamente o processo na pauta de votação.

Participam da marcha cerca de 450 indígenas de diversos povos e regiões do país, que se somam à mobilização iniciada na semana passada na capital federal, em defesa dos seus direitos constitucionais e contra propostas legislativas anti-indígenas como o Projeto de Lei (PL) 490/2007, que está na pauta da próxima reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJC) da Câmara dos Deputados, marcada para ocorrer nesta terça (15), a partir das 13h.

Na semana passada, os indígenas chegaram à Brasília e ocuparam a cúpula do Congresso, em protesto contra o projeto que ameaça as demarcações. Um segurança tentou retirar o grupo do local, mas, os indígenas deixaram claro que só iriam sair quando quisessem e assim o fizeram. Veja o vídeo abaixo:

Projetos que ameaçam os direitos indígenas

PL 490/2007 – Acaba com as demarcações após a data de promulgação da Constituição Federal de 1988 e abre as Terras Indígenas para a exploração econômica predatória;

PL 2633/2020 – Permite invasões em áreas protegidas e anistia à grileiros (as invasões de Reservas cresceram 56% desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência da República);

PL 984/2019 – Pretende cortar o Parque Nacional do Iguaçu e outras Unidades de Conservação com estradas que vão trazer o desmatamento generalizado às Reservas Ambientais;

PDL 177/2021 – Autoriza o presidente da República a abandonar a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), único tratado internacional do Brasil que aborda de forma específica os direitos dos povos indígenas, e;

PL 191/2020 – Conhecida como PL da mineração, autoriza em grande escala a exploração de terras indígenas por projetos como hidrelétricas e mineração industrial.