Meio Ambiente

VÍDEO: Imagens impressionantes mostram ação devastadora das chuvas na China – Saiba o que elas tem a ver com as queimadas na Amazônia

O aquecimento global, provocado entre outros fatores, pelo aumento das queimadas na Amazônia, pode estar por trás das chuvas incomuns na China e Alemanha.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

quarta-feira, 21/07/2021 - 17:36 • Atualizado 21:43
VÍDEO: Imagens impressionantes mostram ação devastadora das chuvas na China – Saiba o que elas tem a ver com as queimadas na Amazônia
Chuvas na China - Foto: AFP

Cerca de 25 pessoas morreram na China em decorrência do que os meteorologistas definiram como as piores chuvas em 60 anos em Zhengzhou, capital da província de Henan, na região central do país.

Vídeos publicados nas redes sociais na noite desta terça-feira (20) mostram pessoas resgatando uma jovem que quase se afogou arrastada pela força da enxurrada, a água encobrindo um carro com passageiro dentro, vários veículos boiando nas ruas e avenidas alagadas e passageiros de um vagão do metrô com água quase na altura dos ombros. VEJA O VÍDEO ABAIXO:

Só nas estações do metrô chinês, que ficaram alagadas, ao menos 12 pessoas morreram, e mais de 500 precisaram ser resgatadas por serviços de emergência. De acordo com relatos, os socorristas tiveram que abrir o teto de um vagão para retirar, um a um, os passageiros.

Mais seis mortes foram confirmadas em Gongyi, segundo a imprensa chinesa. Casas e outras estruturas da cidade desabaram devido às chuvas. O número total de mortos chegou a 25 e há pelo menos sete desaparecidos.

De acordo com o serviço meteorológico, de sábado (17) até terça-feira (20), os medidores registraram 617,1 milímetros de chuva em Zhengzhou. A média anual na cidade é de 640,8 milímetros. Isso significa que a quantidade de chuva dos últimos dias foi quase equivalente ao que estava previsto para o ano todo e a previsão é que a chuva continue.

Carros boiando durante chuvas na China – Foto: Reprodução

Alemanha

Antes da China ser atingida pelas fortes chuvas, na Europa, as inundações  causadas pelas fortes chuvas, que começaram na quarta-feira (14) da semana passada, já deixaram 196 mortos na Alemanha e na Bélgica, segundo balanço atualizado divulgado na segunda-feira (19).

São 165 mortes na Alemanha (117 na região da Renânia-Palatinado, 47 na da Renânia do Norte-Vestfalia e 1 na Baviera) e outras 31 na vizinha Bélgica.

Há também 749 feridos na Renânia-Palatinado, segundo a porta-voz da polícia de Koblenz, Verena Scheuer.

Na Alemanha, as cidades e vilas mais afetadas estão no curso do rio Ahr, que nasce quase na fronteira com a Bélgica e deságua no rio Reno. O vale do rio Ahr é famoso pela produção de vinho tinto, e a cidade mais importante da região é Bad Neuenahr-Ahrweiler

Enchente na Alemanha – Foto: Divulgação

O aquecimento global e as queimadas

Ambientalistas e especialistas alertam que o aumento das temperaturas em nível global gera um acúmulo de energia na atmosfera que se dissipa por meio de eventos climáticos extremos, que tendem a se tornar cada vez mais poderosos e mais frequentes.

E o aquecimento global pode ter relação com o aumento das queimadas na Amazônia. Esta é a conclusão que chegaram mais de 30 cientistas que fizeram estudos sobre este assunto.

Estes estudos, feitos ao longo dos últimos anos, sugerem que a Floresta Amazônica pode estar liberando mais carbono do que a quantidade que absorve, por causa do aumento desenfreado das queimadas.

A pesquisa, financiada pela National Geographic Society e publicada recentemente no periódico Frontiers in Forests and Global Change, estima que o aquecimento atmosférico de todas essas fontes combinadas agora parece saturar o efeito de resfriamento natural da floresta, o que pode influenciar o clima em todo o planeta.

A forma como isto acontece está explicada no vídeo abaixo, do pesquisador da USP, professor Paulo Artaxo: