Meio Ambiente

BOIADA PASSANDO: Amazônia tem 2º pior ano de desmatamento histórico recente

Período atual só não foi pior do que 2019-2020, mas, por uma diferença pequena, de apenas 5%.

Phillippe Watanabe/Folha de São Paulo

sexta-feira, 06/08/2021 - 13:59
BOIADA PASSANDO: Amazônia tem 2º pior ano de desmatamento histórico recente
Desmatamento na Amazônia - Foto: Araquém Alcântara

A Amazônia brasileira teve o segundo pior ano de desmatamento na série histórica recente, superado apenas, com pouca diferença, pelo período de 2019-2020, o mais destrutivo para o bioma.

Os dados do Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), apontam que, de agosto de 2020 a julho de 2021, foram derrubados cerca de 8.712 km² de floresta, queda de aproximadamente 5% em relação aos 9.216 km² do período anterior. O histórico recente do Deter tem início em 2015.

A destruição ocorrida em julho deste ano ainda não está completa no sistema do Inpe, devido a ausência, até o momento, do último dia do mês. A inclusão do dia 31 de julho, porém, provavelmente não trará grandes alterações no cenário.

O Deter é um sistema usado para auxiliar as políticas de controle de desmatamento, mas seus dados também podem ser utilizados para observar as tendências de crescimento ou redução do desmate durante o ano.

O sistema Prodes é o que aponta, anualmente —sempre considerando o período de agosto de um ano até julho do ano seguinte, o que reflete as dinâmicas de destruição e temporadas secas e de chuvas da floresta—, as taxas de desmate na Amazônia.

O período 2020-2021 do Deter teve meses com desmatamento elevadíssimo, com quatro deles superando desmates de 1.000 km² e outros dois não muito distantes da marca.

Imagens do Inpe com desmatamento destacado em amarelo – Foto: Reprodução

Enquanto o desmate se mantinha em níveis elevados, provocando olhares internacionais de preocupação dirigidos ao Brasil, as ações na área ambiental do governo Bolsonaro praticamente não mudaram do ano passado para cá.

Mais uma vez, o governo apostou na Operação Verde Brasil e entregou o combate ao desmatamento às Forças Armadas, medida criticada por especialistas pelos seus elevados custos —em relação às verbas destinadas ao Ibama, entidade do Ministério do Meio Ambiente especializada em combate a crimes ambientais— e reduzida efetividade, considerando as altas taxas de destruição mensal vistas durante a administração Bolsonaro.

Mesmo sem mostrar resultados expressivos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) prorrogou até 31 de agosto a chamada GLO (Garantia da Lei e da Ordem) ambiental, que possibilita a atuação militar contra desmatamento.

Bolsonaro costuma, desde antes de sua posse, minimizar a importância do desmatamento e das queimadas na Amazônia.

A mesma linha foi seguida pelo ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que deixou o cargo no fim de junho, em meio a inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) por operação da Polícia Federal que mira suposto favorecimento a empresários do setor de madeiras por meio da modificação de regras com o objetivo de regularizar cargas apreendidas no exterior.

Salles chegou a afirmar, em 2019, que o Amazônia já tinha desmatamento relativo zero e que não estava longe do desmatamento ilegal zero.

Os dados, contudo, apontavam e continuam apontando para outro caminho, com crescimentos sucessivos da derrubada de mata, a maior parte dela praticada ilegalmente.

Bolsonaro e integrantes do seu governo costumam apontar, sem apresentar quaisquer provas, supostos interesses externos na Amazônia, que se relacionariam à preocupação com a fauna.

Durante períodos com elevados números de desmate e queimadas, como o momento atual, membros do governo costumam se queixar também de propaganda negativa ambiental no exterior, pelo destaque que a destruição da floresta recebe.

Ao mesmo tempo, é comum ouvir de Bolsonaro e de pessoas próximas ao presidente a ideia de que é necessário desenvolver a região Amazônia.

Para isso, porém, apontam como alternativas ações de considerável impacto ambiental, como exploração de ouro e outras atividades em terras indígenas, áreas de proteção que, costumeiramente, apresentam baixas taxas de desmatamento.

Garimpo na Terra Yanomam – Foto: Divulgação

O presidente também se coloca abertamente contra demarcação de terras indígenas e criação de novas áreas de proteção. Bolsonaro, inclusive, defende a revogação de algumas áreas protegidas, visando exploração econômica.

Especialistas alertavam, desde o início do governo Bolsonaro, que o discurso da atual administração de minimização dos problemas ambientais poderia ser lido como salvo-conduto para crimes ambientais e, consequentemente, resultar em crescimento do desmate.

As preocupações com política ambiental internacional e mudanças climáticas também não costumam receber grande atenção do governo Bolsonaro.

O presidente, por exemplo, foi responsável por pedir para que a COP-25, a conferência anual da ONU para negociar a implementação do Acordo de Paris, não fosse realizada no Brasil em 2019.

Nesta semana, Bolsonaro se recusou a encontrar o britânico Alok Sharma, presidente da COP-26, que chegou a se deslocar ao Palácio do Planalto para a reunião, mas não foi recebido.

Duas semanas antes, Bolsonaro recebeu e tirou fotos com uma líder da ultradireita alemã.

Jair Bolsonaro e Beatrix Von Storch – Foto: Divulgação

Reações

Segundo organizações ambientais, os dados publicados nesta sexta-feira (6) demonstram que o desmatamento continua fora de controle no governo Bolsonaro.

O Observatório do Clima, rede com 66 organizações não governamentais e movimentos sociais, afirma que falta ao Brasil uma política de combate ao desmatamento, ao mesmo tempo em que o governo Bolsonaro desmonta a governança ambiental.

“Nem mesmo o general Hamilton Mourão, comandante do Conselho da Amazônia, conseguiu comemorar o recuo de 5,4% na área de alertas em relação a 2020.

Há poucas semanas ele havia prometido à imprensa que o desmatamento cairia 10% e na segunda-feira (2) declarou que não cumpriria a meta.

No ano passado, a embaixadores estrangeiros, foi ainda mais otimista: prometeu 15% de queda”, diz, em nota, o Observatório do Clima.

O Greenpeace aponta que “os órgãos ambientais seguem enfraquecidos, enquanto o Congresso atua como aliado do governo no desmonte ambiental, discutindo e aprovando mudanças danosas na legislação, como o PL 2633/2020, aprovado esta semana na Câmara dos deputados”.

O Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) alerta que um novo e elevado patamar de desmatamento foi estabelecido.

“É a primeira queda em três anos, mas há risco de que a redução seja espasmódica, pois não há, em longo prazo, um plano estruturado para reduzir a destruição florestal e acabar de vez com o desmatamento ilegal”, diz o instituto.

Amazônia desmatada – Foto: Divulgação

O instituto também aponta o avanço do desmate em áreas públicas não destinadas, o que aponta processos de derrubada ilegal de vegetação e de grilagem de terras.

A WWF-Brasil diz que enfraquecimento na fiscalização ambiental e estímulo à grilagem levam a mais um ano com altos índices de desmatamento, e que, às vésperas da divulgação de um novo relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas), os dados de desmate “comprovam que o governo Bolsonaro colocou o país na contramão do que é preciso fazer para combater a emergência climática”.

O desmatamento é a principal fonte de emissões de gases-estufa do Brasil.