Notícia

PMs chegam a acordo com o Governo de Rondônia e suspendem novos protestos

Os policiais militares vão ter reajuste gradativo a partir do próximo ano.

Por Redação Rondônia Já

terça-feira, 29/06/2021 - 22:44 • Atualizado 30/06/2021 - 14:03
PMs chegam a acordo com o Governo de Rondônia e suspendem novos protestos
Polícia Militar de Rondônia - Foto: Divulgação

A Associação de Praças da Polícia Militar do Estado de Rondônia (Aspra), que representa os interesses dos PMs do estado, aceitou a proposta de reajuste salarial apresentada na segunda-feira (28), durante reunião com representantes do Governo de Rondônia e Ministério Público Estadual (MP-RO).

De acordo com a Aspra, ficaram estabelecidos reajustes gradativos entre os meses de janeiro (8%), fevereiro (11,5%) e  março (4%) de 2022. Além desse reajuste, tem outro, no valor de 23,5% a maios sobre o salário atual.

Como ficam os salários dos PMs/RO

  • Cargo com reajuste de 8%
    Coronel: de 14.595 vai para 19 15.762,81
    Tenente-Coronel: de  13.224,70 vai para 14.282,68
    Major: de 11.559,39 vai para 12.484,14
    Capitão: de 9.590,50 vai para 10.357,74
    Primeiro-Tenente: de  7.935,40 vai para 8.570,23
    Segundo-Tenente: de  7.015,91 vai para 7.577,18
    Aspirante a Oficial: de 6.334,31 vai para 6.841,05
    Subtenente: de 6.258,42 vai para 6.759,09
    Primeiro-Sargento: de 5.349,14 vai para 5.777,07
    Segundo-Sargento: de 4.743,44 vai para 5.122,92
    Terceiro-Sargento: de 4.289,53 vai para 4.632,69
    Cabo: de 3.532,04 vai para 3.814,60
    Soldado: de 3.237,21 vai para 3.496,19

Fonte: SESDEC Rondônia

Só que para as medidas entrarem em vigor precisam antes serem aprovadas na Assembleia Legislativa de Rondônia (ALE-RO). Segundo a associação, a proposta deve ser enviada para análise até 2 de julho.

Movimento em frente à quartel da PM em Rondônia – Foto: Redes sociais

Protestos em frente aos quartéis

Em 12 de junho, as mulheres e parentes de policiais e bombeiros militares montaram acampamentos na frente de quartéis em várias cidades da capital e interior do estado, pedindo reajuste salarial para a categoria.

Dois dias depois os locais foram desocupados, após uma reunião entre representantes do Governo de Rondônia e familiares das categorias. Na ata da reunião, ficou estabelecido que o Governo tinha até o último dia 28 para apresentar uma proposta aos manifestantes.