Notícia

Hospital de RO está com pacientes no chão pela quarta vez e Governo não resolve o problema – VÍDEO

Pessoas no chão do Hospital JPII em Porto Velho já virou rotina e secretário estadual de Saúde só transfere pacientes quando aparece na principal emissora de TV de Rondônia.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

quinta-feira, 22/07/2021 - 14:57
Hospital de RO está com pacientes no chão pela quarta vez e Governo não resolve o problema – VÍDEO
Paciente sendo atendido no chão do JPII - Foto: Reprodução

O Hospital e Pronto Socorro João Paulo II, em Porto Velho, mais uma vez está superlotado. Nesta quinta-feira (22) o atendimento aos pacientes é feito nos corredores da unidade, algumas pessoas ficam deitadas apenas com lençóis estendidos no chão , outros com colchões e os mais afortunados em macas, porém, todos na mesma situação precária. Vejam o vídeo abaixo:

 

Hospital superlotado virou rotina

A superlotação da unidade e o atendimento desumano de pacientes no chão e nos corredores impressiona quem nunca entrou no João Paulo II, mas, o problema já virou rotina desde o início da pandemia e, principalmente, nas últimas semanas.

Em 18 de junho, o Hospital JPII se encontrava na mesma situação, um dia após o governador Coronel Marcos Rocha (PSL) liberar eventos com até 999 pessoas. O secretário estadual de Saúde, Fernando Máximo resolveu parcialmente o problema ao organizar um mutirão de transferências de pacientes para outras unidades.

No dia 15 de julho, menos de um mês depois, novamente o João Paulo II enfrentava o mesmo problema. Mais uma vez foi organizado um mutirão de transferências, só que no dia seguinte o Hospital superlotou de novo e pacientes foram atendidos no chão novamente. Outra operação de transferência foi montada para resolver a questão.

Pacientes relatam que se tornou comum a permanência durante dias no chão dos corredores sem que seja sequer disponibilizados colchões para que possam se acomodar com um pouco mais de dignidade.

Nas vezes anteriores, o secretário estadual de Saúde, Fernando Máximo, só realizou a transferência dos pacientes após garantir que haveria ampla divulgação do mutirão de transferência na emissora afiliada da Globo em Rondônia.

Segundo o enfermeiro Jerrimar Soares, do sindicato de enfermagem de Rondônia (Sinderon), a superlotação do JPII não precisaria chegar ao ponto de ter pacientes nos corredores caso houvesse uma transferência constante dos mesmos, pois há vagas no Cemetron, Hospital de Campanha (antiga maternidade Regina Pacis) e no Cero.

Nossa produção entrou em contato com a assessoria da Secretaria Estadual de Saúde de Rondônia (Sesau) e aguarda retorno.