Notícia

Greve da educação pode comprometer volta das aulas presenciais em Porto Velho

Professores e trabalhadores da educação municipal de Porto Velho estão em greve.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

domingo, 15/08/2021 - 16:12 • Atualizado 16/08/2021 - 17:18
Greve da educação pode comprometer volta das aulas presenciais em Porto Velho
Aulas municipais em Porto Velho - Foto: Divulgação

A greve do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Rondônia ( Sintero ) definida através de assembléia pode comprometer a volta às aulas presenciais do ensino infantil e fundamental em Porto Velho na segunda-feira (16).

O anúncio da volta às aulas presencias foi feito pela Prefeitura de Porto Velho. A Secretaria de Educação do município (Semed) garantiu que as escolas estão em condições sanitárias para esta volta.

No entanto, o Sintero discorda das informações da Semed, alegando que o Ensino Municipal da capital tem uma condição muito mais precária do que o Estado e elenca alguns dos fatores que inviabilizam a volta às aulas neste momento, entre eles:

  • Salas de aula minúsculas, sem condições para o distanciamento;
  • Falta de estrutura para merenda;
  • Falta de transporte escolar em parte das escolas, e;
  • Protocolos sanitários insuficientes.

O Sintero também alega que boa parte dos professores ainda não está plenamente imunizada com as duas doses da vacina. Segundo o sindicato da categoria, as retomada das aulas, de forma segura, teria que ser feita somente quando todos os professores estivessem totalmente imunizados e boa parte da população também.

O Rondônia Já gravou entrevista com a presidente do Sintero, professora Leonilda Simão. VEJAM O VÍDEO:

Segundo o Sintero, na educação municipal de Porto Velho trabalham cerca de 3 mil professores e um número semelhante de técnicos.

A greve deve afetar 141 escolas da capital no ensino infantil e fundamental.

De acordo com a secretária municipal de Educação, professora Gláucia Lopes Negreiros, para o retorno foi ouvido um epidemiologista renomado e levada em conta a análise de nota expedida pela Fiocruz que garante segurança dos procedimentos que serão adotados.

“Temos um espaço de tempo mínimo de 10 dias após todos os servidores serem imunizados com a segunda dose da vacina. Isso garante a segurança todos”, enfatiza Gláucia Negreiros.

Aulas estaduais de RO

O Sintero também havia deflagrado greve contra a volta das aulas estaduais em Rondônia, mas, o Governo conseguiu liminar na justiça. A decisão previa multas pesadas ao sindicato e imposição de desconto de dias não trabalhados e processos administrativos contra os servidores.

Por causa desta decisão, as aulas estaduais voltaram no último dia 9, mas, segundo o sindicato, de forma precária, com vários locais sem a oferta de merenda escolar, ou transporte escolar.

Por causa da atual situação, o Sintero anunciou que vai recorrer da decisão que determinou a volta das aulas no estado.