Notícia

Roberto Jefferson é hospitalizado, mas, está proibido de usar redes sociais e dar entrevista

Roberto Jefferson foi transferido para um hospital após apresentar infecção urinária.

Por Redação Rondônia Já

domingo, 05/09/2021 - 12:57 • Atualizado 06/09/2021 - 15:53
Roberto Jefferson é hospitalizado, mas, está proibido de usar redes sociais e dar entrevista
Roberto Jefferson, presidente do PTB - Foto: Divulgação

O presidente nacional do PTB Roberto Jefferson foi transferido do presídio para um hospital para receber tratamento médico. Segundo a assessoria de imprensa, ele é acompanhado por sua equipe médica no Hospital Samaritano da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

Jefferson só recebeu o benefício após uma decisão publicada na noite de sábado (4) do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizando a transferência. Mas, ele continua em prisão preventiva e será monitorado por tornozeleira eletrônica.

A decisão, também proíbe o ex-parlamentar de receber visitas sem autorização prévia. Jefferson só poderá deixar a prisão para ir ao hospital e terá de obedecer a uma série de medidas cautelares.

O ministro Moraes deixou claro que se as medidas cautelares forem descumpridas, Jefferson voltará para a prisão.

A doença

O ministro considerou, como critério para autorizar a transferência, as informações da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro, que apontavam a “insuficiência, por ora, do tratamento médico recebido no hospital penitenciário”.

“Em relatório, subscrito pelo médico Itauan Vieira Espínola, foi constatado que o custodiado está com quadro de infecção urinária, além de reclamar de dores na lombar”, afirmou.

Proibido de usar redes sociais

Além do monitoramento eletrônico na área do Hospital Samaritano Barra, para onde vai fazer o tratamento, Jefferson também tem as seguintes restrições:

  • Está proibido de receber visitas sem autorização da Justiça, com exceção de seus familiares;
  • Não poderá ter acesso ou contato com investigados em inquéritos que investigam a disseminação de notícias falsas, e;
  • Não poderá usar redes sociais nem por meio de sua assessoria e não poderá conceder entrevistas.

Jefferson foi preso no dia 13 de agosto, por determinação de Moraes. Na decisão, o ministro escreveu que o político faz parte de uma “possível organização criminosa” que busca “desestabilizar as instituições republicanas”:

“Uma possível organização criminosa – da qual, em tese, o representado faz parte do núcleo político –, que tem por um de seus fins desestabilizar as instituições republicanas, principalmente aquelas que possam contrapor-se de forma constitucionalmente prevista a atos ilegais ou inconstitucionais, como o Supremo Tribunal Federal (STF) e o próprio Congresso Nacional”.

Roberto Jefferson no IML – Foto: Reprodução TV Globo

Desmaio após denúncia da PGR

Na última segunda-feira (30), a Procuradoria-Geral da República (PGR) ofereceu denúncia ao STF contra Jefferson, que é presidente do PTB, por incitação a crimes contra integrantes do Supremo e senadores da CPI da Covid.

No mesmo dia, Jefferson passou mal e desmaiou.

Na denúncia da PGR, constam as acusações de incitar crimes contra a segurança nacional tendo como alvos o Supremo e senadores da CPI da Pandemia (“tirá-los de lá no pescoção”); por ter chamado de macaco o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming; e por calúnia contra o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), por dizer que ele não aceitava pedidos de impeachment contra ministros do Supremo por “interesses pessoais”.

Roberto Jefferson – Foto: Reprodução Redes sociais

Com informações do G1 nacional