Notícia

VÍDEO – Zé Trovão bajula Bolsonaro, pede desculpas ao STF e faz discurso demagógico

Zé Trovão continua foragido no México, com a PF o perseguindo e teve habeas corpus negado pelo STF.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

sábado, 11/09/2021 - 21:20 • Atualizado 13/09/2021 - 21:40
VÍDEO – Zé Trovão bajula Bolsonaro, pede desculpas ao STF e faz discurso demagógico
Zé Trovão foragido - Foto: Reprodução Telegram

O “porta voz dos caminhoneiros bolsonaristas”, Marcos Antônio Pereira Gomes, vulgo Zé Trovão, disse neste sábado (11) que “jamais pensou em criar um desequilíbrio sobre o nosso país”.

Zé Trovão liderou o movimento de paralisações de caminhoneiros pelo Brasil depois dos atos de 7 de Setembro e atualmente está foragido no México, com a Polícia Federal o perseguindo.

Demonstrando medo de ser preso, gravou o vídeo em que tenta convencer as autoridades que todos os excessos praticados pelo movimento antidemocrático contra o STF não passou de um “mal entendido”:

“Eu quero deixar um alerta, se em algum momento uma de minhas palavras foi muito dura, que trouxe uma impressão errada, eu peço perdão porque nós jamais, jamais pensamos em nenhum momento em criar um desequilíbrio sobre o nosso país. Tudo que nós queríamos era totalmente o contrário. É colocar um equilíbrio sobre os poderes, eu acredito que isso vai acontecer”.

O caminhoneiro é acusado de incitar a invasão do STF (Supremo Tribunal Federal) e do Congresso. Nos últimos dias, Zé Trovão defendeu “trancar tudo” em incentivo à paralisação de caminhoneiros.

Ele teve a prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, mas está foragido em algum lugar do México.

O ministro Edson Fachin, do STF, negou um pedido de habeas corpus em favor de Zé Trovão. Um novo pedido de HC pode ser feito, mas, inevitavelmente irá parar nas mãos do ministro Alexandre de Moraes, que foi afrontado por Zé Trovão.

No vídeo divulgado no aplicativo Telegram neste sábado (11), o caminhoneiro bajulou  Jair Bolsonaro afirmando que o presidente conduz o país de “uma maneira muito grandiosa”.

Possivelmente assessorado, Zé Trovão se juntou aos ministros do Governo Federal e aliados de Bolsonaro que tentam acalmar parte da base bolsonarista insatisfeita com a nota de recuo divulgada pelo chefe do Executivo.

Nas palavras proferidas no vídeo, a bajulação a Bolsonaro é explícita:

“Como é possível mudar o Brasil? Com essas pequenas atitudes que já estão sendo tomadas pelo presidente, conduzindo a nossa nação de uma maneira muito grandiosa. Então, para você que ainda se sente um pouco chateado ou para você que ainda não conseguiu entender, eu te peço de todo meu coração: siga, siga essas orientações que o chefe dessa nação está fazendo”.

VEJA O VÍDEO:

Discurso demagógico

Zé Trovão afirma na gravação que “com toda certeza o Brasil terá uma grande diferença daqui para frente”.

No vídeo, no trecho mais demagógico, o caminhoneiro fala sobre o pedido de Bolsonaro encaminhado ao STF para obrigar o Congresso Nacional a votar a regulamentação da unificação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis.

Ele afirma que envio do pedido foi feito por Bolsonaro na sexta-feira (10), quando na verdade, foi na semana passada, no dia 03 de setembro.

O caminhoneiro cita a ação como um exemplo de “atitudes” para mudar o país.
“O início de uma nova era se instaura no Brasil, ontem nosso presidente da República tomou a primeira atitude com relação aos novos parâmetros que o Brasil tem que tomar. Nosso presidente enviou um documento a Suprema Corte exigindo que os governos dos Estados coloquem uma base sobre o ICMS”, disse.

Em primeiro lugar, Bolsonaro não tem condições de obrigar o Congresso a fazer nada, pelo contrário, se não seguir a cartilha de Arthur Lira, o presidente da Câmara dos Deputados pode colocar um dos vários pedidos de impeachment para ser votado. Mourão agradece se isto acontecer e já está se aquecendo há tempos para o dia D.

Em relação ao ICMS dos estados, o percentual é o mesmo que sempre foi praticado, em mandatos presidenciais anteriores, como os de Lula, Dilma e Fernando Henrique Cardoso.

O que mudou, de Temer para frente e, principalmente no atual governo de Jair Bolsonaro, é que o preço dos combustíveis está atrelado ao dólar. E o dólar sobe constantemente no Brasil, como resultado da péssima gestão econômica do ministro Paulo Guedes.

Alvo de mandados de busca e apreensão expedidos pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, Zé Trovão afirmou estar sofrendo “diversos ataques nas redes sociais de pessoas que se dizem de direita”.

Disse não se importar com isso. “Eu não me preocupo com isso, o que me importa é o pensamento de cada brasileiro que sabe que eu estou aqui e continuarei lutando pelo nosso país de uma maneira democrática”, declarou.

Nas redes sociais, o recuo de Bolsonaro foi visto pelos caminhoneiros como uma “traição”.

O movimento esperava conseguir invadir o STF. Só não contavam que a tropa de elite da PF estivesse guardando o prédio.

Também não esperavam que a PM de Brasília jogasse spray de pimenta na cara dos bolsonaristas mais exaltados.

Para assegurar a sobrevivência política, Bolsonaro não teve outra alternativa a não ser pedir para Temer intermediar um recuo para evitar um impeachment e consequentemente, a prisão depois de ser impeachmado.

Mas, com Zé Trovão a situação é diferente. Dificilmente, ele conseguirá se livrar da prisão. Sara Winter que o diga.

Com informações e vídeo do Poder 360