Notícia

VÍDEOS – Médico se irrita com demora, saca arma em pizzaria e ameaça funcionários

O médico, acusado de desviar mais de R$ 1 milhão de prefeitura, informou endereço errado de entrega. VEJAM OS VÍDEOS.

Por Redação Rondônia Já

segunda-feira, 27/09/2021 - 19:21 • Atualizado 21:10
VÍDEOS – Médico se irrita com demora, saca arma em pizzaria e ameaça funcionários
Médico saca arma em pizzaria - Foto: Reprodução e colagem

Um médico se irritou com suposta demora na entrega de duas pizzas, foi armado à pizzaria e, com a arma na mão, ameaçou os funcionários ao cobrar o produto do estabelecimento. O caso é investigado pela 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) do Distrito Federal (Brasília).

Thiago Zacariotto Lima Alves fez o pedido por meio de aplicativo de entrega.

O médico, no entanto, não tinha percebido que o endereço cadastrado, na realidade, não era o de sua casa. Revoltado com a “demora” no envio da encomenda, o acusado apareceu armado na pizzaria e exigiu a entrega imediata do alimento.

Em entrevista ao Correio Braziliense, o dono da pizzaria, que preferiu não revelar a identidade, contou que foi ameaçado com uma arma de fogo, após o médico radiologista, chegar irritado ao estabelecimento, queixando-se da suposta demora na entrega do lanche por meio de um aplicativo.

Vídeos mostram o momento em que o profissional de saúde, identificado como Thiago Zacariotto Lima Alves, saca a arma e coloca no balcão.

VEJA O VÍDEO:

Segundo relato do proprietário da loja, a confusão aconteceu por volta das 20h30 de domingo (26). O cliente teria ido ao local duas vezes. Na primeira, teria alegado o não recebimento do lanche e pedido que a entrega fosse feita em endereço diferente do que constava no aplicativo.

Após, aproximadamente uma hora, o homem retornou à pizzaria dizendo que ainda não havia recebido a refeição. Neste momento, o cliente sacou uma arma e disse ao empresário que queria a sua pizza naquele exato momento. A discussão foi gravada por câmeras de segurança.

VEJA O VÍDEO:

 

Vídeos do circuito interno de segurança do estabelecimento flagraram o momento exato em que o radiologista saca a arma da cintura e coloca no balcão, em tom ameaçador. “Nessa hora, eu pedi calma e disse que não precisava tomar aquela atitude. Foi uma situação absurdamente desproporcional. Se alguém errou ali, foi ele em não atualizar o endereço”, completou o dono.

Ao final, o empresário conseguiu convencer o médico de levar as pizzas. “Ele me pediu desculpas e saiu, mas a polícia havia chegado. A PM chegou na hora em que o médico saía de carro. Os militares o seguiram, mas o perderam de vista”, disse o empresário.

Investigação

O proprietário registrou boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) por ameaça. Segundo o delegado-adjunto da unidade policial, Maurício Iacozzilli, o médico será intimado a depor ainda esta semana. O caso segue em investigação. O médico é um dos sócios de uma clínica de radiologia de Brasília.

Médico é acusado de desviar R$ 1,2 milhão pelo MP

Thiago Zacariotto Lima Alves foi secretário municipal de saúde de Santa Inês, município do Maranhão, distante 250 quilômetros de São Luis, em 2013, durante o mandato de seu pai, o ex-prefeito José de Ribamar Costa Alves.

Durante o período em que esteve frente à secretaria, Thiago colecionou processos. Em 2019, foi denunciado pelo Ministério Público do Estado do Maranhão (MPMA) pelo crime de dispensa irregular de licitação.

Entre abril de 2013 e janeiro de 2014, Thiago, enquanto era secretário de Saúde de Santa Inês, contratou 19 serviços sem prévia licitação, que totalizaram R$ 1.223.013,53. O processo tramita na Justiça.

Pai do médico, ex-prefeito, foi preso por estupro

O pai do médico que sacou a arma na pizzaria, o também médico, militar e político, José de Ribamar Costa Alves foi preso em flagrante, preventivamente por 28 dias, quando ainda era prefeito de Santa Inês, em 29 de janeiro de 2016, pelo suposto estupro de uma jovem de 18 anos. Segundo a polícia, a vítima, que é natural do Paraná, é missionária da Igreja Adventista e trabalha como colportora (jovens que vendem livros para pagar os estudos).

Segundo o delegado Rafael Reis, a vítima afirmou, em depoimento, que o prefeito teria convidado a jovem para a casa dele afirmando que compraria os livros que estavam à venda.

Após chegar à casa, ela aceitou sair no carro dele e conta que o prefeito teria entrado em um motel sem se identificar na entrada, onde a levou para o quarto e praticou o crime. A vítima afirmou que deixou claro que não queria fazer sexo e chorou durante todo o ato.

Após sair do motel, a jovem seguiu direto para a delegacia, onde denunciou o crime, acrescentando que o homem já havia entrado em contato com ela pelo celular.

Ribamar Alves conseguiu em 25 de fevereiro de 2016, na segunda instância, o relaxamento da prisão, porque o TJMA estabeleceu pena alternativa, mesmo com o depoimento da vítima confirmando o estupro.