Polícia

Quartéis da PM são fechados no interior e capital de Rondônia

Nos locais, a PM permanece dentro dos quartéis. O movimento pede reajuste imediato de 8% nos salários.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

sábado, 12/06/2021 - 17:26 • Atualizado 16/06/2021 - 00:39
Quartéis da PM são fechados no interior e capital de Rondônia
Movimento em frente à quartel da PM em Rondônia - Foto: Redes sociais

Quartéis da PM na capital e interior de Rondônia amanheceram fechados pelo movimento de mulheres e parentes que reivindicam aumento salarial.

Em Porto Velho, o 5º Batalhão da PM teve a entrada bloqueada pelos manifestantes. O policiamento está sendo feito pelos outros quartéis. Nas outras cidades, houve também remanejamento de efetivo para fazer o atendimento das ocorrências.

No interior, as cidades afetadas, até o momento, pelo movimento são:

  • Ji-Paraná;
  • Vilhena:
  • Cacoal;
  • Jaru;
  • Presidente Médici;
  • São Miguel do Guaporé, e;
  • Alvorada D’Oeste.

O movimento pede 8% imediato de reajuste salarial. Este aumento foi sancionado neste ano, num Projeto de Lei que estabelece o reajuste para toda a Segurança Pública do Estado, no entanto, o Governo de Rondônia não implementou o reajuste, postergando para 2022 e justificando que a prioridade atual é que os recursos estaduais sejam direcionados ao combate da pandemia da Covid-19.

O Governo informou que está negociando a desocupação das entradas dos quartéis e que marcou para segunda-feira (14) uma reunião para tentar por um fim no impasse. Pela Constituição, a Polícia Militar não pode fazer greve, por isto, tradicionalmente, o movimento para parar as atividades em protestos salariais normalmente é feito através de parentes e esposas de PMs.

O primeiro ato do movimento foi uma carreata de veículos em 31 de maio pelas avenidas e ruas do centro de Porto Velho, organizada por um casal de políticos não reeleitos, que estão sempre envolvidos neste tipo de manifestação.

Carreata em Porto Velho – Foto: Marcelo Winter

Nota do Comando-Geral da PM/RO

O comando-geral da Polícia Militar do Estado de Rondônia se mantém atento à questão da manifestação causada pelas esposas de policiais militares e deixa claro que o policiamento ostensivo em Porto Velho está sendo mantido de forma normal e, ainda com o reforço do Batalhão da Polícia de Choque e a Forças Táticas, visando garantir a ordem e a segurança de toda a população.

O reforço foi necessário para suprir a deficiência causada pelo movimento de mobilização das esposas de policiais militares que chegaram a acampar e fecharam alguns quartéis, impedindo a saída de viaturas.

Nesse sentido, o comando da Polícia Militar enfatiza que em Porto Velho, apenas o 5º Batalhão de Polícia Militar foi fechado pela manifestação, não havendo prejuízos consideráveis na promoção da segurança pública nas localidades até o presente momento, uma vez que na Capital o 1º BPM, o 9º BPM, o Batalhão de Polícia de Choque e as Forças Táticas, têm suprido a deficiência.

E em Jaru, o 7º BPM do Município de Ariquemes tem suprido a necessidade de policiamento na localidade. Ao final do movimento, quem agiu em desacordo com a lei, terá que se explicar perante a mesma.

Em Ji-Paraná, o policiamento desempenhado pelo 2º BPM foi reforçado com as demais organizações policiais militares da região que estão atuando para garantir a segurança, também nas demais localidades.

O comando da Polícia Militar de Rondônia reitera sua confiança no Governo do Estado, na certeza que se resolverá esse impasse no mais curto prazo, sem prejuízos para a sociedade rondoniense. Ao mesmo tempo, espera contar com a consciência de todos quanto ao respeito de garantir que a Polícia Militar possa desenvolver a missão de proteger a sociedade.