Polícia

Facção criminosa assessorada por advogado é alvo de operação da PC em Rondônia

18 mandados de prisão preventiva foram expedidos contra a organização criminosa, incluindo o advogado.

Por Redação Rondônia Já

terça-feira, 20/07/2021 - 16:17 • Atualizado 17:47
Facção criminosa assessorada por advogado é alvo de operação da PC em Rondônia
Deflagrada Operação Súcia em Rondônia, com suspeita de ação de advogado - Foto: divulgação

A Delegacia de Combate ao Crime Organizado (Draco1) iniciou nesta terça-feira (20) a Operação Súcia, que tem o objetivo de desarticular facção criminosa que age de forma violenta em Rondônia. De acordo com a polícia, o grupo é tão organizado que possui até assessoria jurídica realizada por advogado.

Entre as determinações para cumprimento da operação policial estão 28 ordens judiciais, sendo 18 mandados de prisão preventiva e 10 mandados de busca e apreensão. A organização criminosa tem atuação no estado de Rondônia e, em especial no município de Porto Velho.

Conforme informações da Polícia Civil, a organização criminosa investigada tem vários cargos e atribuições de tarefas entre os faccionados.

“Os Investigadores Draco1 apuraram ainda que o tráfico de drogas se trata da atividade econômica por excelência da organização, sendo que esta possibilita a capitalização da facção e, por conseguinte, a aquisição de armas de fogos”, diz a PC.

De posse de armamentos, os membros da organização criminosa atacavam grupos rivais e cometiam outros crimes em Porto Velho, como roubos, por exemplo.

ADVOGADO É ASSESSOR JURÍDICO DE FACÇÃO

A Draco 1 descobriu que a organização criminosa tem até assessoria jurídica para defender ‘os interesses’ do grupo, feita por um advogado profissional. O nome dele não foi divulgado.

Conforme informações dos policiais, o advogado também é integrante da facção, levando e trazendo recados aos criminosos, inclusive dentro de presídio.

LIDERANÇA PRESA

Entre os alvos presos na manhã desta terça-feira está uma das lideranças da Orcrim (organização criminosa), que recentemente divulgou um áudio em grupos de aplicativo de mensagem, onde determinava que nas dependências do conjunto habitacional Orgulho do Madeira, Porto Velho, os síndicos estariam destituídos de poder e a facção criminosa estaria no comando.