Polícia

Professor de colégio católico é preso, acusado de abuso contra alunas de 8 a 12 anos

O professor já havia respondido processo por agressão a um aluno de 15 anos, ocorrido dentro do colégio.

Por Redação Rondônia Já

quarta-feira, 18/08/2021 - 00:07 • Atualizado 00:14
Professor de colégio católico é preso, acusado de abuso contra alunas de 8 a 12 anos
Professor de colégio católico é acusado de abuso contra alunas - Foto: redes sociais

Um professor do Colégio Marista Nossa Senhora de Nazaré foi preso na terça-feira (17), em Belém (PA). Adalberto Siqueira Sanches Júnior é acusado de abuso sexual contra alunas do colégio Nazaré, uma das escolas particulares mais tradicionais de Belém. As supostas vítimas do professor teriam entre 8 e 12 anos de idade.

A prisão preventiva foi feita pela Polícia Civil do Pará, que também cumpriu mandados de busca e apreensão no centro de Belém. Foram apreendidos o computador, o celular e mídias do suspeito, que irão passar por perícia. O caso é investigado pela Delegacia de Atendimento à Criança e ao Adolescente (Deaca) da Santa Casa.

O mesmo professor respondeu a um processo por agredir um aluno, ano passado. O fato, segundo consta nos autos, aconteceu durante um evento dentro do colégio, quando o professor teria agredido o adolescente B. L. V. C. d. C., de 15 anos, com uma “gravata”, um tapa no rosto e um soco no abdômen. O jovem precisou de atendimento em hospital particular e o caso foi parar na Justiça.

Adalberto possui graduação em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará (Uepa). Ele era professor na Escolinha de Karatê do Colégio Marista de Nazaré. Era professor de artes marciais em uma academia da capital e lecionava na Faculdade de Conhecimento e Ciência.

O professor lecionava artes marciais no colégio marista – Foto: redes sociais

Em nota, o colégio Nazaré informou que só tomou conhecimento do caso, envolvendo o professor, na terça-feira (17). “O nosso código de conduta interno e a Política de Proteção Integral de Crianças e Adolescentes são muito claros em relação a situações como esta e imediatamente o professor foi afastado de suas funções” – relatou a nota.

O colégio também se disse solidário aos estudantes e famílias envolvidas no caso. “Nos colocamos à disposição para poder apoiá-las nesse momento. Da mesma forma, em relação às investigações das autoridades policiais”, completa o texto. A instituição de ensino não se manifestou sobre o caso anterior, de agressão contra o aluno de 15 anos.

Colégio Marista Nossa Senhora de Nazaré, onde o professor lecionava

Colégio Marista Nossa Senhora de Nazaré, onde o professor lecionava – Foto: divulgação

A Faculdade de Conhecimento e Ciência informou que o professor não pertence mais ao quadro de funcionários, tendo lecionado durante seis meses, entre 2017 e 2018. A instituição não informou o motivo do desligamento de Adalberto. Disse, ainda, que lamenta o fato e se solidariza com as famílias das vítimas, estando à disposição para qualquer esclarecimento.

A notícia sobre os supostos estupros praticados por Adalberto foi recebida com surpresa por pais e mães de alunos do colégio Marista e dividiu opiniões. “Muitas mães conhecem ele de bastante tempo. Dizem que sempre foi um ótimo professor. Tem até mães que foram alunas dele, que o filho foi aluno também, e que afirmam não terem nunca desconfiado ou sabido de nada”, contou uma mãe que preferiu não se identificar.