Polícia

Homem que ofertava emprego de babá e abusava de candidatas há 6 meses, foi preso

O homem, que se passava por mulher, pedia fotos dos seios das candidatas, alegando que elas precisariam amamentar um filho autista.

Por Marcelo Monteiro/Diário do Nordeste

segunda-feira, 30/08/2021 - 20:18 • Atualizado 20:55
Homem que ofertava emprego de babá e abusava de candidatas há 6 meses, foi preso
O estuprador se passava por mulher, supostamente contratando babás - Foto: divulgação

Paulo Henrique Santos Monteiro, 34 anos, suspeito de cometer uma série de estupros em Fortaleza, é acusado de praticar os crimes há 6 meses. Até o momento, a Polícia identificou 10 vítimas — número que pode aumentar. As informações foram divulgadas em coletiva de imprensa, na manhã da segunda-feira (30). O homem se passava por mulher no contato com as vítimas e ofertava uma vaga de emprego de babá.

O suspeito, que já era investigado por estupro pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Fortaleza, usava perfis falsos, fingindo ser uma mulher, para oferecer empregos em redes sociais. Durante o contato, as vítimas conversavam com a suposta contratante e marcavam encontro com o homem após estabelecerem confiança.

Em depoimento, o suspeito afirmou realizar os crimes há 6 meses. A investigação da DDM, contudo, começou há um ano e dois meses, após uma das vítimas denunciá-lo. Ao longo das apurações, a polícia chegou a 3 vítimas, com idades entre 16 e 27 anos.

COMO O CRIME OCORRIA

As vítimas publicavam disponibilidade para empregos como babás ou auxiliares administrativas em sites de anúncios. Lá, o homem, sob os nomes “Mariana” ou “Gabriela”, procurava essas pessoas e oferecia o serviço de babá para o suposto filho autista, que precisaria de “atenção integral”.

No dia das reuniões, Paulo Henrique, ainda se passando pela mulher contratante, dizia não poder ir ao encontro, pontuando que o marido dela — o próprio suspeito — poderia buscar a vítima para levá-la à residência que seria o local de trabalho.

As vítimas, sozinhas, marcavam encontro em locais públicos, próximos ao local de trabalho do homem, que atuava como zelador em um prédio. Posteriormente, elas eram levadas, sem desconfiar, para um terreno no bairro Jacarecanga, onde eram estupradas após serem abordadas com canivete.

“Ele não tinha pressa; ele queria ganhar a confiança dessas vítimas”, afirma a titular da DDM, delegada Ana Nery, pontuando que ele chegava a passar duas semanas realizando as tratativas.

“Ele realmente tentava ganhar a confiança dessas vítimas. Ficou muito claro que ele se aproveitava da vulnerabilidade financeira dessas vítimas, que estavam precisando demais de emprego”, afirma ela, apontando que o valor era mais alto do que a média de trabalhos anteriores das vítimas em razão de, eventualmente, amamentarem o suposto filho.

FOTOS DAS VÍTIMAS

Durante as negociações, Paulo Henrique pedia fotos dos seios das vítimas, com o pretexto de que a suposta criança, de 9 anos, teria a necessidade de mamar. Muitas babás chegavam a questionar a idade do menino, e o homem associava a questão da amamentação ao fato do garoto ser autista e ter “dependência emocional”.

O homem questionava as vítimas sobre características dos seios, sob o pretexto da necessidade do filho – Foto: reprodução

Algumas delas enviavam imagens, conforme solicitado pelo suspeito, enquanto outras levavam o assunto aos companheiros delas, para avaliarem se haveria problema. “Depois de um ou dois dias, talvez diante das condições financeiras, elas acabavam dizendo que os maridos consentiram e não haveria problema”, salienta Ana Cláudia Nery, classificando o criminoso como um psicopata.

Ana Cláudia Nery frisa que, mesmo com o envio das fotos dos seios, as mulheres são vítimas e não devem ser descredibilizadas.

Suspeito usava a mesma narrativa nas negociações com as vítimas, que eram diferenciadas com numerações – Foto: reprodução

As imagens existentes nos celulares apreendidos vão, desde vítimas diretas do suspeito — algumas ainda abaixo dos 18 anos — até material pornográfico, possivelmente retirado de sites. “Esse material foi encontrado na casa dele, na busca e apreensão, e ele os reconhece como sendo exatamente dele”, indica a delegada.

PRISÃO

A prisão de Paulo Henrique ocorreu na última sexta-feira (27), no bairro Carlito Pamplona, em Fortaleza, após cumprimento de um mandado de busca e apreensão. Na ocasião, a Polícia Civil do Ceará (PCCE) localizou, em 4 celulares apreendidos com ele, dezenas de vídeos que comprovam práticas criminosas. Também foi encontrada uma câmera fotográfica.

Em razão da quantidade de material encontrado, Paulo Henrique foi preso em flagrante pelo crime de registro não autorizado da intimidade sexual e autuado por adquirir, possuir e armazenar registros com cenas de sexo explícito ou pornográfico envolvendo criança ou adolescente.

A diretora do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis (DPGV) da PCCE, Arlete Silveira, alerta que as vítimas tenham todo o cuidado, além de que busquem as autoridades competentes, no caso de ocorrências do tipo.

“Quanto mais rápido a mulher procurar a Polícia, melhor vai ser o acolhimento, a preservação da integridade física e psicológica daquela mulher, e a responsabilização [do criminoso]. É importante que essa vítima confie, acredite e procure a DDM”.