Política

Prefeito de Porto Velho acredita na “presunção de inocência” de empresa suspeita de fraude na venda de vacinas para a Capital

A informação foi dada em nota da prefeitura de Porto Velho a partir de um questionamento deste site sobre a compra de 400 mil doses da vacina AstraZeneca de uma empresa investigada por fraude.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

quarta-feira, 28/04/2021 - 18:28
Prefeito de Porto Velho acredita na “presunção de inocência” de empresa suspeita de fraude na venda de vacinas para a Capital
Hildon Chaves - Prefeito de Porto Velho

A prefeitura de Porto Velho, em nota para o site Rondoniaja.com afirmou que o prefeito Hildon Chaves(PSDB) acredita na presunção da inocência da empresa que prometeu entregar 400 mil doses de vacina AstraZeneca para a capital. A empresa, que tem sede no Recife(PE), é suspeita de fraude na investigação conduzida pela Polícia Civil do Rio de Janeiro.

De acordo com a nota, Hildon Chaves, que esteve reunido com representantes da Segurança Pública do Rio de Janeiro, disse que vai aguardar os resultados da investigação antes de rescindir o contrato.

A nota também descarta qualquer prejuízo para os cofres da prefeitura da capital, em virtude do modelo adotado, Carta de Crédito, só liberar os 18 milhões de reais referentes à compra após o recebimento da mercadoria.

A suspeita de que Hildon caiu no golpe da vacina

Na sexta-feira(23) caiu como uma bomba, no colo de Hildon Chaves, a notícia nacional de que a empresa Montserrat Consultoria teria enganado 20 prefeituras, entre elas a de Porto Velho, num esquema de fraude na entrega de vacinas contra a Covid-19.

Oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos na sede da empresa, em Recife(PE) pela Polícia Civil do RJ, com o apoio da Polícia Rodoviária Federal. Foram apreendidos celulares, computadores e documentos que visam a comprovação do crime pela investigação que está em andamento.

Imediatamente Hildon Chaves, em entrevista coletiva transmitida também por redes sociais, disse que estava indo ao Rio de Janeiro para saber os detalhes da operação.

Já de volta, o prefeito de Porto Velho prefere acreditar que a empresa suspeita possa ser inocente e ainda tem esperança da entrega do lote das vacinas, mas, disse que se preciso irá rescindir o contrato. Hildon Chaves também afirmou que está procurando outras formas de adquirir mais vacinas.

Não é novidade que o Governo Federal está mandando uma quantidade de vacinas contra o coronavírus muito abaixo da real necessidade da população.

A CPI da Covid, em tramitação no Congresso, já comprovou que o Ministério da Saúde recusou 11 ofertas dos laboratórios para a compra de vacinas contra a Covid-19 pelo Governo Federal brasileiro.

Nota da Prefeitura de Porto Velho na íntegra

“O prefeito Hildon Chaves, desde o advento da vacina, vem buscando alternativas de aquisição dos imunizantes para combater os males desencadeados pela pandemia.

Considerando a informação, de que a empresa que negociou a venda de vacinas para Porto Velho era alvo de investigação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, o prefeito foi à capital fluminense para obter mais informações sobre a situação.

Buscando a elucidação dos fatos, há de se considerar que o processo ainda está em andamento, e de acordo com o princípio da presunção de inocência, o sigilo da operação deve ser respeitado.

A prefeitura novamente informa que não houve nenhum tipo de pagamento e ratifica a segurança do modelo escolhido de negociação, pois trata-se de Carta de Crédito, cuja liberação do valor ocorre somente depois de recebida a mercadoria, ou seja, procedimento totalmente seguro que não oferece risco ou prejuízo ao erário público.

Segundo Hildon Chaves, como gestor da capital, ainda em dezembro foi ao Butantan e na Fundação Oswaldo Cruz para obter conhecimento e formas para aquisição de vacinas, pois não concorda em ficar parado esperando apenas o Governo Federal.

E assim será, se não der certo com a negociação atual, continuará à procura, até conseguir imunizar toda a população de Porto Velho.”