Política

Tuitada de embaixador chinês após prisão de Jefferson desagrada governo federal

O comentário irônico do embaixador deixou integrantes do governo tão furiosos que ameaçaram retaliar a China.

Por Redação Rondônia Já

sábado, 14/08/2021 - 01:02 • Atualizado 01:11
Tuitada de embaixador chinês após prisão de Jefferson desagrada governo federal
Embaixador chinês Yang Wanming - Foto: Divulgação

O comentário do embaixador chinês, Yang Wanming, publicado logo após a prisão do bolsonarista Roberto Jefferson foi mal recebido por integrantes do governo federal.

A mensagem “Lindo dia para todos!!!”, publicada pelo chinês no Twitter, foi interpretada pelos auxiliares de Bolsonaro como uma “provocação” em relação ao episódio.

A declaração causou tanto mal-estar que, segundo interlocutores do Palácio, pode até ter consequências no leilão do 5G. Os chineses são um dos principais fornecedores da tecnologia, em concorrência com os americanos.

Interlocutores do embaixador já foram comunicados sobre a insatisfação do governo com comentário. As autoridades brasileiras têm dito que a restrição ao uso dos equipamentos da empresa chinesa Huawei só vai se dar na rede privativa do governo, que é exclusiva para órgãos públicos.

Tweet de Yang Wanming – Foto: Reprodução Twitter

Ataques de Jefferson à China

Yang Wanming e a China foram alvos de ataques e notícias falsas de tropas bolsonaristas nas redes envolvendo, em especial, o coronavírus. Em julho, o ex-deputado fez um vídeo em que chamou o embaixador de “macaco” e disse que o presidente Bolsonaro deveria “mandá-lo embora” do Brasil. Jefferson aparecia com duas armas em punho.

Na ocasião, após discursar sobre uma suposta ameaça comunista e a importância das Forças Armadas e das polícias, Jefferson emendou: “Os comunistas, como esse chinês, malandro, que está aí hoje na embaixada da China […] Ele tem que ir embora. O presidente tem que mandar ele embora, esse xing-ling de embaixador.”

Hoje, antes de ser preso, o presidente do PTB enviou um áudio a correligionários da sua sigla em que disse que o STF foi comprado pela China.

Roberto Jefferson no IML – Foto: Reprodução TV Globo

A prisão de Jefferson

Jefferson, um dos principais aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi preso na manhã de sexta-feira (13) no desdobramento das investigações sobre a atuação de uma organização criminosa digital voltada a ataques contra a democracia e as instituições.

A prisão de Roberto Jefferson foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal). Na ordem emitida, constam mais de dez crimes, entre eles injúria, calúnia e difamação, incitação e apologia ao crime e denunciação caluniosa.

O ex-deputado foi levado na tarde de sexta-feira para um presídio do Complexo de Bangu, na Zona Oeste do Rio, onde ficará por tempo indeterminado, visto que se trata de mandado de prisão preventiva, sem data definida para libertar o acusado.

Não é a primeira vez que Jefferson é preso. Em novembro de 2012, no julgamento do mensalão no STF, ele foi condenado a 7 anos e 14 dias de prisão, pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

O advogado de defesa de Roberto Jefferson, Luiz Gustavo Pereira da Cunha, informou, por telefone, que só vai se manifestar depois que tiver acesso à íntegra da decisão do mandado de prisão e da busca e apreensão.

Após todo este episódio e a revolta do Governo Bolsonaro, no começo da noite de sexta-feira (13), o embaixador chinês publicou outro tuíte, desejando a todos um feliz final de semana:

Tuite de Yang Wanming – Foto: Reprodução Twitter