Política

VÍDEO – Helicóptero sobrevoa escola que afastou professora por criticar Bolsonaro

O helicóptero é da Secretaria de Segurança Pública de MT e um dos tripulantes estava segurando uma bandeira do Brasil.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

quinta-feira, 02/09/2021 - 17:28 • Atualizado 19:01
VÍDEO – Helicóptero sobrevoa escola que afastou professora por criticar Bolsonaro
Helicóptero sobrevoou tradicional escola de Cuiabá - Foto: reprodução

Um vídeo mostra o helicóptero do Ciopaer, que pertence à Secretaria de Segurança Pública de Mato Grosso (Sesp/MT) sobrevoando o pátio do Colégio Notre Dame de Lourdes, um dos mais tradicionais de Cuiabá, na manhã desta quinta-feira (2). Um tripulante aparece segurando a bandeira do Brasil.

VEJA O VÍDEO:

Em nota, a Sesp de Mato Grosso informou que o sobrevoo foi feito a pedido, por meio de ofício assinado pela direção da escola, em comemoração à Semana da Independência e não tem nenhuma conotação política. Mas, o episódio acontece um dia após a confirmação do afastamento de uma professora que foi gravada criticando o Governo Bolsonaro, durante uma aula.

A PROFESSORA QUE CRITICOU BOLSONARO

Uma professora do Ensino Fundamental I foi afastada por 3 dias do Colégio Notre Dame de Lourdes, de Cuiabá,  depois de criticar Jair Bolsonaro e seus apoiadores dentro de sala de aula, na terça-feira (31/8).

Colégio Notre Dame de Lourdes, em Cuiabá – Foto: Sinepe/MT

Os comentários da professora foram gravados em áudio e compartilhados em grupos de mensagens, causando revolta nos pais de alguns estudantes da escola. Ela dá aula para o 3º ano, ensinando crianças entre 7 e 9 anos.

Leia as falas da professora:

Ele é a favor do desmatamento. Ele é a favor que os garimpeiros façam destruição dentro das terras indígenas. Além da destruição da natureza, está prejudicando o povo indígena. Os garimpeiros e o presidente da República são a favor disso. Temos que começar a pensar o que queremos para o nosso Brasil”, afirmou.

Votamos com a urna eletrônica, então não tem como você ‘roubar’. Tem como ‘roubar’ se for no papelzinho, e ele [presidente Jair Bolsonaro] quer que volte a votação pelo papelzinho, que é para facilitar para ele fazer o que quiser”, declarou a professora, em outro momento da gravação.

“Ele tem as pessoas que o acompanham, igual a torcedor de futebol que torce pelo time. Ele tem a torcida dele, mas, se formos avaliar esses seguidores, são pessoas corruptas também, que fazem coisas fora da lei. São pessoas atraídas por ele, por causa do pensamento dele, pelas coisas que ele fala e faz, sempre contra a prosperidade do país”, disse a educadora.

O Colégio Notre Dame de Lourdes relatou, em nota, que os comentários de caráter político-partidário feitos pela professora, infringem o artigo do Código de Ética assinado pelos funcionários da instituição e, por esse motivo, a profissional foi suspensa.

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas usou o Twitter para se manifestar sobre o caso. Afirmou que a decisão da escola é “absurda” e “ataca a liberdade de ensino e de aprender”. Além disso, defendeu que “a escola é livre”.

O Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público do Estado de Mato Grosso (Sintep), classificou a situação como sendo “estarrecedora” e disse que a conduta adotada pela instituição foi covarde e que não condiz com o “que ensina Cristo”.

Por meio de nota, o presidente Valdeir Pereira apontou, ainda, que os apontamentos da professora estariam corretos e, dessa forma, a conduta adotada pelo Colégio seria considerado um “abuso”.

MPE IRÁ INVESTIGAR

O Ministério Público Estadual (MPE) confirmou que vai pedir à Corregedoria da Polícia Militar que investigue o suposto “uso político” do helicóptero da Segurança Pública, operado pelo Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), durante o sobrevoo na escola particular Notre Dame de Lourdes, nesta quinta-feira (2).

De acordo com o MPE, o pedido será assinado pelo promotor de Justiça Paulo Henrique Amaral Motta e atende ao requerimento do juiz da 10ª Vara Especializada de Justiça Militar, Marcos Faleiros, que solicitou a apuração de possíveis infrações militares e atos de improbidade, cometidos pelo Ciopaer por conta do sobrevoo do helicóptero na unidade escolar, um dia após uma professora ter sido afastada por criticar o presidente Jair Bolsonaro durante uma aula.

Juiz Marcos Faleiros pediu ao MPE que investigue o sobrevoo do helicóptero – Foto: Otmar de Oliveira/Gazeta Digital

O juiz Marcos Faleiros já havia feito um comunicado, na semana passada, ao comandante-geral da Polícia Militar, coronel Jonildo José da Assis, para informar aos militares de Mato Grosso que, durante os atos de 7 de setembro em favor do presidente Jair Bolsonaro, “qualquer quebra da hierarquia ou comportamento subversivo às instituições democráticas, haverá consequências graves e imediatas”.

NOTA DA SECRETARIA DE SEGURANÇA

Em nota enviada, a Sesp esclarece que a ação do Ciopaer fez parte das atividades da Semana da Pátria, realizada anualmente no colégio, a pedido da própria instituição.

Além disso, encaminhou o ofício da escola solicitando o sobrevoo com data de 01 de setembro de 2021. Informou ainda, que o ato de mostrar a bandeira não teve nenhuma conotação política, mas cívica, como lembra a data da independência.

Além do sobrevoo, a nota esclarece que membros do Ciopaer também estiveram no colégio, nesta quarta-feira (1/9), proferindo palestra e orientações aos alunos sobre o tema “segurança pública”, sendo um convite feito pela própria instituição.

Por fim, a Sesp-MT destaca que não coaduna com posicionamentos políticos no âmbito do serviço público e que qualquer excesso cometido pelos servidores da pasta neste sentido será motivo de medidas administrativas.

Fonte: com informações da Gazeta Digital