Política

Roberto Jefferson chama ministro do STF de “abominável” e “saco de excremento”

Mesmo hospitalizado e proibido de usar redes sociais, Jefferson escreveu uma carta para xingar Alexandre de Moraes.

Por Marcelo Winter - Rondônia Já

domingo, 26/09/2021 - 22:05 • Atualizado 27/09/2021 - 17:52
Roberto Jefferson chama ministro do STF de “abominável” e “saco de excremento”
Roberto Jefferson e ministro Alexandre de Moraes - Foto: Colagem

O presidente do PTB, Roberto Jefferson, em carta escrita de dentro do hospital, revoltado com sua prisão, chamou o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes de “Xandão” e “abominável”.

O político presidiário também comparou o magistrado a um “saco de excremento”. “Saco de matéria sólida e fétida a ser excretada pelo organismo humano. Serão excretados”, escreveu na carta.

A vice-presidente do PTB, Graciela Nienov, compartilhou o documento no sábado (25) em seu perfil no Twitter, mas, devido à repercussão, e provavelmente com medo das consequências jurídicas, a “leoa conservadora”, como se autodenomina no seu perfil, retirou a postagem neste domingo (26). Mas, o print está abaixo:

Tweet com carta de Roberto Jefferson – Foto: Reprodução Twitter

O ex-deputado deu entrada no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, no começo do mês para tratar uma pielonefrite aguda bilateral. Na segunda-feira (27) fará exames e, no dia seguinte, passará por um cateterismo.

Jefferson está preso desde 13 de agosto deste ano por ordem do ministro do STF Alexandre de Moraes, relator do inquérito das milícias digitais na Casa.

Nessa investigação, a PF apura indícios e provas que apontam para a existência de uma organização criminosa que teria agido com a finalidade de atentar contra o Estado democrático de direito. Jefferson é um dos principais envolvidos, segundo o STF.

Apesar de tentar passar, desta vez, uma postura destemida, estilo “cabra macho”, ao escrever a carta ofendendo o ministro Moraes, em outra ocasião, em 30 de agosto, após saber que havia sido denunciado ao STF pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o político preso não aguentou e desmaiou na cela, no que foi socorrido pelos agentes do presídio.

Na denúncia da PGR, constam as acusações de incitar crimes contra a segurança nacional tendo como alvos o Supremo e senadores da CPI da Pandemia (“tirá-los de lá no pescoção”); por ter chamado de macaco o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming; e por calúnia contra o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), por dizer que ele não aceitava pedidos de impeachment contra ministros do Supremo por “interesses pessoais”.

Em 05 de setembro, o ministro permitiu que o ex-deputado fosse ao hospital para fazer exames usando uma tornozeleira eletrônica, mas proibiu o presidiário de dar entrevistas ou falar com outros investigados no inquérito.

Roberto Jefferson no IML – Foto: Reprodução TV Globo

Rebelião no PTB

Na carta, além de atacar Alexandre de Moraes, Jefferson revela que há uma “rebelião doméstica” dentro do PTB, que tenta desestabilizar Graciela Nienov. “Saibam: Brigou com a Graci brigou comigo”, afirmou.

“Vejo numa rebelião doméstica pelo poder dentro do PTB. Há um pequeno grupo, que identifico, vozes mexicanas, paulistanas e alagoanas, tentando desestabilizar a Graci visando o meu lugar. Esquece o grupo de combinar “o jogo com os russos”.

Aquela cadeira histórica é maior que a ambição do trio”. Desde que foi preso, Jefferson já escreveu pelo menos mais uma carta. No final de agosto, comparou o Judiciário à “forças satanistas”.

A legenda vem sendo sondada para acomodar Jair Bolsonaro (sem partido) futuramente.

O PTB foi criado pelo ex-presidente do Brasil, Getúlio Vargas, o pai da CLT, a Consolidação das Leis Trabalhistas, código que deu aos trabalhadores brasileiros os direitos que o atual governo de Jair Bolsonaro tanto se empenha em acabar.

O partido, atualmente, é comandado por um político acostumado à frequentar presídios e participar de escândalos políticos de corrupção.

Roberto Jefferson, presidente do PTB – Foto: Divulgação

Íntegra da carta de Roberto Jefferson

Reflexão de um preso político.

Samaritano, 25 de setembro de 2021

Estou confinado à prisão decretada e à prisão adquirida. Uma é fruto de atitude arbitrária e autocrática de um ser abominável, O Xandão.

A outra é consequência do império das bactérias anaeróbicas que povoam nossas vísceras.

Em comum entre as duas prisões são os mandantes; os mandantes originam, simbolicamente, do mesmo lugar um saco de excremento; saco de matéria sólida e fétida a ser excretada pelo organismo humano. Serão excretados.

Vejo numa rebelião doméstica pelo poder dentro do PTB. Há um pequeno grupo, que identifico, vozes mexicanas, paulistanas e alagoanas, tentando desestabilizar a Graci visando o meu lugar. Esquece o grupo de combinar “o jogo com os russos”. Aquela cadeira histórica é maior que a ambição do trio.

Do Samaritano tenho observado a movimentação. Ainda não será dessa vez que eu vou partir. Antes de encerrar a jornada limparei o partido dessas infestações. Tenham certeza. Política não é dinastia. Política não é coronelismo. Política não é esperteza.

Nossa legenda servirá o povo. Servirá pelo poder do amor. Não servirá pelo amor ao poder. Preparei a Graciela Nievov desde de sua meninice para me substituir. Ela galgou desde a base, nos movimentos, jovens e da mulher as posições da hierarquia partidária. Ela é cristã, honrada, correta, leal e comprometida com o nosso ideário. Ela está pronta para maiores desafios. Saibam: Brigou com a Graci brigou comigo.

Enquanto eu estiver preso, desejo constituir uma comissão de veteranos, conselho consultivo, para protegê-la, com poderes para dissolver provisórias e expulsar murmuradores de nossa Graci: Gean Prates, Rodrigo Valadares, Marisa Lobo, Paulo Bengtson, Jefferson Alves, Mical Damasceno e Marcus Vinícius.

Aos leões e leoas petebistas informo que estou bem. Farei exames de imagem na segunda-feira. Terça-feira farei o cateterismo e quarta encerrarei o tratamento com antibióticos. Estou bem, agradecido aos meus irmãos a força que fizeram para que eu vir para o hospital.

Não há glória sem sofrimento.

É próxima a vitória.

Persistência, perseverança, insistência, teimosia. Vencemos pela obstinação.

O Senhor nos inspira e conduz.

Nossa Força e Vitoria é Jesus.

Roberto Jefferson.